terça-feira, 25 de junho de 2013

CHUCHU GRATINADO COM CREAM CHEESE


Existe um preconceito grande contra o chuchu. Dizem que é sem graça e não tem gosto de nada.

As pessoas fazem piadinhas do tipo: “O chuchu é rico em vitaminas A, B e C...Água, Bagaço e Casca”.

Eu não consigo entender o porque disto! Acredito que seja pelo modo que algumas pessoas preparam, que acaba ficando “sem graça”.

Minha família toda gosta e desde pequena eu adoro chuchu, preparado de várias maneiras.

Outro dia preparei esse chuchu gratinado, para ser servido junto com o arroz carreteiro. O preparo foi rápido e ficou muito gostoso (opinião dos homens aqui de casa também..rs).


Ingredientes:

  • 2 chuchus em fatias finas
  • ½ copo de água quente
  • 1 tablete de caldo
  • 2 ovos
  • Sal a gosto
  • 200 g de cream cheese
  • Queijo parmesão ralado a gosto (sugestão 2 colheres de sopa)
  • *Se gostar, pode colocar pedaços de outros tipos de queijo como gorgonzola.


Modo de preparo:


Fatiar os dois chuchus em fatias finas (mais ou menos meio centímetro). Pode ser com casca e tudo, como eu faço. Lave bem o chuchu com esponja, corte ao meio para não ficar “balançando” enquanto você corta as fatias.

Disponha o chuchu em um refratário alto.

Dissolva o tablete de caldo no ½ copo de água quente e despeje sobre o chuchu.

Cubra o refratário com papel alumínio e leve ao forno por uns 15 minutos.

Retire o papel e espete com um garfo para ver se já estão macios.

Coloque por cima, os ovos mexidos com um pouco de sal e cubra com o cream cheese.

Volte ao forno por mais alguns minutos. Então coloque o queijo ralado e volte ao forno até gratinar.



Nesta foto, aparece bem os pedaços de gorgonzola que dão um sabor especial.




quarta-feira, 19 de junho de 2013

ARROZ COM LENTILHAS - MJADRA


Minha avó por parte de pai era filha de um libanês, por isso, ela conhecia muitas receitas da culinária árabe.

Como ela sempre morou conosco (com meus pais, meus irmãos e eu), era muito difícil ela cozinhar alguma coisa, pois geralmente a cozinha ficava a cargo da minha mãe...e era muito difícil ela mostrar como fazer, pois quando preparava alguma coisa, não gostava de ensinar..rs...só quando estava com muito boa vontade..rs.

Ela fazia muito bem, tahine temperada, babaganuch,  charutos de repolho deliciosos, dentre outros pratos, e um desses dias “de boa vontade”, ela me disse como fazia o arroz com aletria (que vou mostrar em outra postagem) e  Mjadra, conhecido como arroz com lentilhas.

É bem fácil até, e esta proporção que vou passar, serve fartamente 4 a 5 porções.


Ingredientes:

  • 1 copo de arroz
  • 1/2 copo de lentilhas (um pouco mais da metade)
  • 4 copos de água
  • 1 tablete de caldo da sua preferência
  • Sal a gosto
  • Alho a gosto
  • 1 cebola grande (para fritar separado)


Modo de fazer:


Escolha as lentilhas, lave e escorra.

Coloque em uma panela grande junto com 2 copos de água e deixe ferver por 5 minutos. Depois coloque o arroz (escolhido, lavado e escorrido), acrescente os outros 2 copos de água e os temperos.

Depois que o tablete de caldo derreter, acerte o sal.

Deixe cozinhar até secar. Não se preocupe se a lentilha ficar um pouquinho dura, pois mesmo sem água e com o fogo desligado, ela irá terminar de cozinhar com a panela tampada...é o tempo de fritar a cebola para jogar em cima.

Fatie a cebola em rodelas bem finas.





Eu uso um fatiador para deixar as fatias bem fininhas e iguais.









Frite em bastante azeite (pode ser uma parte de óleo de soja e outra de azeite de oliva). Lógico que vai depender do tamanho da sua panela, em uma de uns 15 cm de diâmetro, você pode colocar uns 2 cm de óleo/azeite.

Retire a cebola quando estiver bem dourada, escura, quase queimada. Fique de olho, pois demora um pouco para começar a dourar mas do dourado para queimar é bem rápido!
Coloque por cima de arroz na hora de servir, podendo colocar o azeite onde fritou as cebolas também, já que a comida árabe “pede” bastante azeite, e se você reparou, no preparo do arroz eu não uso óleo nem azeite.





terça-feira, 11 de junho de 2013

BOLO DE LARANJA



Aaaa...o bolo de laranja que minha avó fazia...

Lembro de quando era criança, e íamos visitar nossa avó materna no interior de São Paulo, e ela sempre fazia deste bolo.

A receita que dou aqui, não sei se era a mesma que ela fazia...bem, uma coisa eu tenho certeza: ela não usava as raspas de laranja.

Minha avó morava em uma cidade onde tem uma grande fábrica de suco de laranja concentrado, e consequentemente, muitos laranjais no entorno.

E o bolo de laranja tinha muito gosto de laranja!!!

É...as laranjas antigamente tinham outro sabor! Na verdade...antigamente, as laranjas TINHAM SABOR!

Acho que deve ser toda tecnologia que foi usada ao longo dos anos, para fazer as frutas terem uma resistência maior as pragas, e forçar que as plantas produzam mais e em todas as épocas do ano! Sim, porque a época das frutas cítricas em geral, era no outono e inverno.

Elas eram um pouco mais ácidas, normalmente nem dava para tomar o suco puro..rs...tinha que colocar água e açúcar e fazer a chamada “laranjada”.

Sabemos que existem vários tipos de laranja, e a mais comum para bolos, pudins e até suco, sempre foi a laranja pera. Hoje, estas laranjas para suco, que ainda são as mais ácidas, são muito doces e aguadas...Por isso, qualquer receita que antigamente tinha muito sabor, hoje é preciso buscar alguma adaptação.

Já fiz bolo usando laranja e limão. Ficou mais saboroso...mas não era só laranja, né?

Daí uma amiga deu a sugestão e eu fiz essa adaptação de acrescentar raspas de casca de laranja a massa, e o sabor ficou mais...digamos...de laranja..rs


Ingredientes:

  • 3 ovos
  • 3 colheres de sopa de margarina
  • 2 xícaras de açúcar
  • 1 colher bem cheia de raspas de casca de laranja
  • 2 copos de suco de laranja (400 ml)
  • 3 xícaras de farinha de trigo
  • 1 colher de sopa de fermento em pó


Modo de preparo:


Antes de retirar o suco das laranjas, lave e seque bem. Raspe as cascas com ralador fino (se quiser, reserve um pouquinho das raspas para cobertura) e só depois, faça o suco.

Para o bolo e mais ou menos ½ copo de suco que vai na cobertura, umas 5 laranjas serão suficientes, desde que tenham bastante suco.

Bata as claras em neve e reserve.

Bata as gemas, o açúcar e a margarina até ficar claro e espumoso.

Coloque as raspas e adicione intercalando, o suco e a farinha. Adicione o fermento e desligue a batedeira.

Incorpore as claras em neve, com delicadeza, usando uma espátula ou um fouet.

Coloque em forma untada. Sugestão de forma com furo no meio, de 25 cm de diâmetro com 8 de altura.

Asse em forno pré aquecido (mais ou menos 210°) por uns 40 minutos, até ficar dourado.



Cobertura de açúcar:

  • 2 ½ xícaras de açúcar de confeiteiro
  • ½ copo de suco de laranja (mais ou menos)
  • Raspas de laranja para enfeitar


Coloque o açúcar de confeiteiro em uma tigela e vá adicionando o suco aos poucos, mexendo e amolecendo até o ponto de uma massinha não muito mole, provavelmente não irá usar todo suco.

Atenção: Só prepare na hora de cobrir o bolo e só coloque no bolo quando este estiver BEM FRIO! Caso contrário, o calor irá derreter o açúcar e ficará com aparência de calda transparente.

Depois, se quiser, pode salpicar um pouco de raspas por cima para enfeitar.





segunda-feira, 10 de junho de 2013

BOLO DE FUBÁ COM GOIABADA

Esta receita apareceu na minha vida, poucos anos atrás, mesmo assim tem muitas histórias.

No Orkut (vocês se lembram da rede social Orkut??..rsrsrs), havia uma comunidade que eu participava, relacionada aos anos 70, e que tinha uma turminha de participantes ativos muito legal, onde conheci muita gente boa.

A comunidade era relativa aos anos 70, mas eram comentados vários assuntos atuais, além de conversas e brincadeiras.

Bem, havia um tópico de troca de receitas que homenageava uma grande cozinheira da década de 70/80, e tinha como nome: “A cozinha maravilhosa de Ofélia”.

Quem postou essa receita por lá foi a Regina, mas esse bolo ficou famoso de tanto que a Aninha, uma outra participante da comunidade, fazia para o lanche da família dela, postava e comentava, deixando todo mundo com vontade..rs...Inclusive, em um de nossos encontros, ou “orkontros” como eram chamados os eventos, ela ficou intimada a levar o bolo de fubá com goiabada..rs...E levou um monte!!! Estava delicioso.

Eu comecei a fazer esta receita bem mais tarde, uns dois anos atrás.

E este eu fiz neste final de semana para uma festa junina, na casa de amigos.



Ingredientes:

  • 2 ovos
  • 2 copos de leite
  • 2 copos de fubá
  • 2 copos de açúcar
  • ¾ de copo de óleo
  • 2 copos de farinha de trigo
  • 2 colheres de sopa de fermento em pó
  • 500 g de goiabada cortada em cubos


Modo de fazer:


Corte a goiabada em cubos e reserve.

Bata no liquidificador, os 5 primeiros ingredientes.

Coloque essa mistura em uma tigela e acrescente a farinha de trigo e o fermento, misturando com espátula ou com um fouet.

Despeje a massa em forma untada. Sugestão de forma retangular de 38 X 25 cm com 4 de altura.




Coloque os cubos de goiabada na massa, um a um, deixando algum espaço entre eles, afundando um pouco.







Leve para assar em forno pré aquecido a 210°, por mais ou menos 35 minutos, até ficar bem corado.

*Esta minha receita está dobrada. Originalmente, ela tem metade das medidas que eu passei. Mas aqui em casa não dá para fazer bolo muito pequeno..rs...Se você achar muito grande, é só fazer a metade, mas para não ter erro, não esqueça de diminuir o tamanho da forma também, ok?

**A amiga Regina leu esta postagem, e disse que ela ainda polvilha açúcar e canela por cima, antes de colocar para assar. Eu não lembrava disso...no próximo que eu fizer, irei dar "esse toque", mesmo porque, adoro canela e combina muito bem...Aguardem fotos!





domingo, 9 de junho de 2013

SOPA DE MANDIOCA


Também conhecida aqui no Brasil, como macaxeira ou aipim, a mandioca recebe ainda outros nomes, conforme a região, mas os mais populares são esses.

A mandioca tem uma lenda indígena para justificar esse nome.

Lembro que nas aulas que tive sobre folclore, o  historiador e antropólogo Luís da Câmara Cascudo era muito citado por compilar uma série de lendas brasileiras...e a da mandioca foi uma das que mais me marcou.

Vou contar aqui, mas sem muitos detalhes:

“A filha de um grande chefe indígena apareceu grávida, porém, sem nunca ter tido um namorado.

Acabou dando a luz a uma menina branca que recebeu o nome de Mani.

Mani era muito precoce e andou e falou rápido, sendo considerada especial na tribo, mas morreu muito cedo (um ou dois anos), e como era costume, foi enterrada dentro da oca.

Onde Mani foi enterrada, surgiu uma planta desconhecida, que passou a ser base da alimentação dos índios.

O nome mandioca, vem de Mani + oca (oca = casa). Então quando os índios falavam em mandioca, estavam se referindo a planta que nasceu na ‘casa de Mani’.”

E essa sopa de mandioca foi minha mãe quem fez. Garanto que, como tudo que ela faz, estava muito boa..rs.

E como muita coisa que minha mãe prepara, essa sopa não tem uma receita com medidas.


Ingredientes:

  • Mandioca descascada
  • Água
  • Cebola, alho, sal
  • Temperos a gosto.


Modo de fazer:


Descasque as mandiocas, coloque em uma panela (que pode ser de pressão), cobra com água e leve para cozinhar. Se for na panela de pressão, pode ser por uns 15 a 20 minutos contados depois que a panela começou a chiar.
Se for panela normal, você pode acompanhar o cozimento.

A mandioca é um tubérculo que pode variar muito de qualidade, sendo que algumas vezes cozinha mais rápido, mas como é para fazer sopa, não há problema se cozinhar demais e começar a desmanchar.

Depois que a mandioca estiver bem cozida, bata no liquidificador com a mesma água, ou passe pelo espremedor de batatas.

No liquidificador, não deixe bater muito tempo, pois assim como a batata, ou inhame, a mandioca fica “elástica”, puxenta, como uma cola...isso se bater por muito tempo.

Em uma panela, refogue cebola e alho em um pouquinho de azeite. Despeje o caldo de mandioca e acrescente mais água, se for necessário, mas lembre-se que essa sopa é para ficar cremosa e não aguada.

Coloque sal, um ou dois caldos de galinha, pimenta e cheiro verde.

Enfim, tempere ao seu gosto.

Se quiser, quando refogar a cebola e o alho, pode fritar junto alguns cubinhos de bacon, por que combina muito bem.

Ótima dica para dias frios.





sexta-feira, 7 de junho de 2013

TORTA DE FAROFA DOCE - CRUMBLE


Essa torta é fácil e rápida de fazer. Ideal para aproveitar frutas que estão passando do ponto e ninguém quer comer, mas ainda dá para aproveitar..rs. ;)

O recheio mais comum para ela é de frutas, tipo maçã, banana, pera...porém, nada impede de você usar a criatividade e fazer com um recheio de sua preferencia.


Está eu fiz com bananas, e também coloquei uvas passas e castanha do Pará.

Ah! Polvilhei duas colheres de achocolatado sobre as bananas, antes de cobrir com o restante da farofa. Bem, você pode adaptar e fazer o recheio ao seu gosto.


Ingredientes da farofa:

  • 1 ½ xícaras de farinha de trigo
  • ½ xícara de açúcar
  • 150 g de margarina gelada
  • 1 colher de sopa de canela em pó


Modo de preparo:


Em uma tigela, colocar todos os ingredientes.


Com a ajuda de um garfo e uma faca, vá misturando e esfarelando até ficar como na foto. 


Não é para ficar uma massa normal, daquelas elásticas...é para ficar uma farofa!

Com metade (ou um pouco mais da metade) desta farofa, forrar o fundo de um refratário de uns 22 cm por uns 5 cm de altura. Não se esquecer de untar antes.

*Esta torta é delicada e difícil desenformar sem quebrar toda, por isso é bom fazer em um refratário onde será servida.*

Depois coloque fatias de frutas. No caso desta, como já disse, fiz com bananas.

Cortei 3 bananas em rodelas e coloquei sobre a farofa no refratário, polvilhei duas colheres de achocolatado e um pouco de canela em pó.
Coloquei algumas uvas passas, e castanhas do Pará picadas.






Depois é só jogar o restante da farofa por cima, esfarelando e deixando como que com pelotas.








Coloque para assar até ficar bem corado.


Pode servir quente acompanhado com sorvete de creme, que ficará uma delícia!

*****************************************************************
Devo agradecer a colega do G+, Athenas, pela informação do verdadeiro nome desta torta. Eu conhecia somente por torta de farofa, mas na verdade é uma receita antiga chamada CRUMBLE.

Athenas escreveu:

"Os crumbles surgiram na Grã-Bretanha durante a Segunda Guerra Mundial. Devido ao racionamento, não havia ingredientes para as tortas tradicionais, que exigiam muita farinha, gordura e açúcar para a massa. Usavam uma simples mistura de farinha, margarina e açúcar para cobrir a torta. O prato também tornou-se popular devido à sua simplicidade, uma vez que deixava às mulheres mais tempo para fazer outras tarefas.As frutas mais empregadas em crumbles incluem maçã, amora, pêssego, ruibarbo, groselha e ameixa. Eu fiz de maçãs , banana, amora e morango."

Obrigada Athenas!







quarta-feira, 5 de junho de 2013

RESENHA: BOLO DE FÉCULA DE BATATA


No último domingo, fiz outro BOLO DE FÉCULA DE BATATA, só que desta vez, assei em uma forma com furo no meio, de 25 cm de diâmetro com 8 de altura.

Quis fazer essa experiência para saber se o resultado seria o mesmo.

O bolo cresceu e depois abaixou um pouco, mas nada que interferisse ou fizesse o bolo ficar solado.

Como quando usamos as formas com furo no meio, temos que deixar os bolos assando alguns minutos a mais, deixei no forno por uns 35 minutos e ele ficou mais coradinho.

De resto, tudo igual ao outro.



Aproveito para colocar a foto da receita que vem na caixa da fécula (só dei uma borrada na marca, para não fazer propaganda..rs), para se alguém quiser fazer. Só que, como já disse, usando a farinha de trigo o gosto fica de um bolo branco qualquer, além de não ficar tão levinho como na receita que só usa a fécula de batata.

Para ver a receita que só usa a fécula, clique AQUI, ou procure na barra de índice em “ReceitasDoces”.



segunda-feira, 3 de junho de 2013

TORTA DE BRIGADEIRO CREMOSO



Quem não gosta de brigadeiro?

Claro..rs...devem existir algumas pessoas que não gostam, mas com certeza são poucas pessoas, e acredito que a maioria que fizer essa receita irá se apaixonar.

O recheio desta torta de massa amanteigada, não fica enjoativo, pois o creme de leite corta o excesso de doce do leite condensado, e o cacau ou chocolate em pó, não vai deixar ainda mais doce.

Para conferir, só fazendo mesmo..rs


Para a massa:

Usar a receita da MASSA BÁSICA PARA TORTA, que você encontra neste blog, clicando AQUI, ou procurando em “Receitas Doces” na barra perto do Índice.



Ingredientes do recheio:

  • 2 latas de leite condensado
  • 2 caixas de creme de leite (400 ml)
  • 3 colheres de sopa cheias de cacau em pó, ou chocolate em pó (não é achocolatado)
  • 1 colher de sopa de maisena


Modo de preparo:


Coloque em uma panela (veja a dica sobre panelas clicando AQUI, ou na barra de índice em "Dicas") o leite condensado, o cacau ou chocolate (se preferir, pode ser meio a meio), dissolva a maisena no creme de leite e também coloque na panela.

Antes de levar ao fogo, misture tudo muito bem.

No fogo, mexa sempre até engrossar como brigadeiro, mas deixando mais mole, não em ponto de enrolar.

Despeje sobre a massa que já deve estar assada e cubra com chocolate granulado ou raspas de chocolate meio amargo, como foi o que eu fiz.
Esta quantidade de recheio é para massa que foi assada em forma de 25 cm de diâmetro, e ficou com uns 4 cm de altura.




Deixe esfriar bem antes de cortar. 

Depois é só saborear!









domingo, 2 de junho de 2013

BERINJELA A PARMEGIANA


Essa é mais uma daquelas receitas sem medidas, o que posso fazer é dar sugestões de quantidades, mas você tem que seguir seus instintos e seu paladar.

Quando fui escrever essa receita, me ocorreu certa curiosidade sobre o surgimento dos pratos “a parmegiana”, e pesquisando (no google, claro..rs) fiquei surpresa de ler em vários sites, que esse prato, simplesmente, não existe na Itália!!!

Alguns dizem que surgiu aqui no Brasil mesmo, e o termo parmegiana, veio por causa do queijo usado, queijo Di Parma.

Como não dá para confiar em toda informação que “voa livre leve e solta” pela internet, peço para quem ler essa postagem e conhecer algum italiano legítimo, pergunte (e depois me diga, por favor) qual é a real história, ou se não existe mesmo lá no “país da bota”.

Desde já, agradeço.

Vamos ao prato.


Ingredientes:

  • Berinjelas
  • Sal
  • Alho frito
  • Azeite
  • Molho de tomate da sua preferencia
  • Queijo de sua preferencia
  • Orégano


Modo de preparo (ou melhor, “como eu fiz”):


Cortei duas berinjelas em rodelas de mais ou menos 3 cm e dispus em um refratário. 

Pinguei um pouco de água no fundo, e com o saleiro, salpiquei só um pouco de sal em cada rodela e joguei um pouco de alho frito, orégano  além de um fio de azeite.

Você irá temperar ao seu gosto, mas não esqueça que no molho de tomate e no queijo já tem bastante sal.

Cobri todo refratário com papel alumínio e levei ao forno em temperatura máxima, por mais ou menos 15 minutos.

Quando você fizer isso, provavelmente, as berinjelas estarão pouco cozidas ainda.

Então, retirei o alumínio e coloquei um pouco de molho de tomate sobre cada rodela, e depois cobri com mozarela e queijo prato picado, e um pouco de parmesão ralado.

Voltei com o refratário ao forno até derreter bem os queijos.

O resultado é esse da foto. E você pode fazer com outros tipos de legumes e também variar o molho, usando um bolonhesa, por exemplo...também vai ficar muito bom!